Personalidades do Vôlei

Especiais

Juliana e Larissa

A história da carreira de Juliana e Larissa não se trata, certamente, de um conto de fadas. Elas não se conheceram na infância, não passaram a adolescência juntas e, na verdade, até formarem uma das duplas mais vencedoras da história do vôlei de praia mundial, mal se conheciam. Um diretor, que, ao invés de contar uma história ‘água com açúcar’, resolvesse filmar uma epopéia com drama, ação, sorrisos, lágrimas e, sobretudo, superação, teria nas duas personagens o roteiro que dificilmente sairia das mais criativas mentes do cinema.

Em entrevista exclusiva ao site VôleiBrasil, as atletas, que em 2009 já conquistaram oito ouros no Circuito Mundial, falaram do início da carreira, valorizaram cada um dos títulos conquistados e se mostraram orgulhosas por estarem juntas novamente após a lesão no joelho direito de Juliana, às vésperas dos Jogos Olímpicos de Pequim-2008.


VôleiBrasil.org.br -
Quando surgiu a paixão pelo vôlei e como vocês se tornaram atletas?

Juliana - Comecei a jogar vôlei em Natal na escola, joguei vôlei indoor e, em 2001, fui para o projeto de vôlei de praia da CBV, em Fortaleza. Minha família sempre apoiou e sempre fui focada no que eu queria.

Larissa - Pratico esportes desde pequena. Fiz handebol, basquete, vôlei, tudo. Sabia que meu caminho seria trabalhar com esportes. Optei por vôlei de praia quando resolvi entrar para o projeto da CBV para tentar seguir a carreira.


VôleiBrasil.org.br - Que lembranças vocês têm do início de suas carreiras? 

Juliana – O início é sempre difícil para o atleta que sonha em se tornar profissional. Nós ainda não tínhamos patrocinador, precisávamos arcar com as despesas durante as competições e contávamos com uma ajuda das nossas federações.

Larissa – Lembro do trabalho duro, que continua até hoje, e da nossa dedicação, que também é a mesma. Passamos por dificuldades, sim, como todo atleta. Mas tivemos sorte de conseguiu um patrocinador como a Supergasbras em 2004.

VôleiBrasil.org.br - Que profissão vocês seguiriam caso não se tornassem jogadores de vôlei? 

Juliana – Não sei o que poderia fazer. Acredito que faria faculdade de comunicação social

Larissa – Provavelmente eu trabalharia com algo relacionado ao esporte.

VôleiBrasil.org.br - Quais foram as maiores dificuldades que vocês encontraram? 

Juliana - O atleta enfrenta dificuldades para disputar competições internacionais. Eu e Larissa, felizmente, contamos com o apoio do nosso patrocinador. A Supergasbras nos ajudou muito e trabalhamos com muita dedicação para conquistar títulos. As lesões também foram difíceis. Eu e Larissa estávamos começando a jogar juntas quando rompi os ligamentos do joelho esquerdo e fiquei quase um ano parada. Agora aconteceu de novo, mas no joelho direito e superei tudo novamente.

VôleiBrasil.org.br - Quais foram as pessoas mais importantes ao longo de suas carreiras? 

Larissa – Não há como apontar uma única pessoa. Posso dizer que todos os nossos familiares, amigos e nossa comissão técnica nos apoiaram em todas as situações.

VôleiBrasil.org.br - Vocês já sabem o que farão quando pararem de jogar? 

Juliana – Eu pretendo fazer faculdade de comunicação social.

Larissa – Vou deixar para pensar nisso no futuro.

VôleiBrasil.org.br - Como vocês lidam com o calor da torcida brasileira durante uma partida? 

Juliana - Costumamos receber muito carinho de torcedores no Brasil e até quando estamos disputando o Circuito Mundial. Isso nos motiva muito.

Larissa – A energia dos torcedores sempre nos ajuda e acho que ficamos até mais motivadas quando percebemos que a dupla adversária tem uma forte torcida.

VôleiBrasil.org.br - Qual o jogo ou momento inesquecível de vocês? 

Juliana – É difícil falar. Guardo com carinho a emoção que vivemos em cada título conquistado, cada vitória, cada prêmio que recebemos.

Larissa – Acredito que as nossas conquistas até agora foram inesquecíveis. Espero que possamos ter ainda muitas outras em nossa carreira.

VôleiBrasil.org.br - A alimentação e o estilo de vida influenciam no rendimento de um atleta? 

Juliana - Esses são dois pontos importantes para nossas carreiras e o equilíbrio é fundamental para atingirmos um bom rendimento dentro de quadra. Como gasto muita energia, tenho que me alimentar muito bem e com qualidade. Além disso, o descanso é muito importante.

Larissa - Procuro ter hábitos saudáveis. Aprendi a importância de cuidar da minha alimentação e meu cardápio é balanceado.

VôleiBrasil.org.br - E fora da quadra, quais os hobbies de vocês? 

Juliana - Ficar com minha família e amigos.

Larissa- Ir ao shopping.

VôleiBrasil.org.br -Qual a opinião de vocês sobre trabalhos sociais ligados ao vôlei? 

Juliana – Essa é sempre uma iniciativa louvável e muito importante. Principalmente porque é uma ação ligada geralmente às comunidades carentes, através de atividades esportivas, educativas e sociais.

Larissa – É sempre importante. Os projetos sociais podem ajudar a afastar as crianças das ruas e mostrar a elas a importância da disciplina, da dedicação e de ter uma vida saudável. 

VôleiBrasil.org.br - Qual a meta da dupla daqui pra frente? 

Larissa – Representar bem o nosso país nas competições que disputamos. Eu e Juliana entramos nos campeonatos com objetivo de dar o máximo para lutar pelos títulos. É nisso que nos concentramos. Pensamos num dia de cada vez.

VôleiBrasil.org.br - Que dica você pode dar para quem deseja ser um vencedor no vôlei? 

Juliana - Nunca desistir na primeira derrota, treinar muito, cuidar da alimentação, mas sem deixar de estudar. A disciplina é muito importante. O comprometimento também.

Larissa - Acho que todas as crianças deveriam escolher uma modalidade, pois o esporte ensina a ter disciplina, força de vontade para superar obstáculos e também ensina a perder. O esporte é importante, mas a escola é obrigação.

compartilhe:

Voltar para a listagem